Sua colaboração vai nos ajudar a fazer o mundo melhor através do desenvolvimento social, cultural e educacional.

Arraste para escolher o valor

Clique e digite outro valor

R$

Com objetivo de discutir e trazer novos conhecimentos na área de preservação e memória, a série de workshops encerra o ciclo em Santa Bárbara




O Centro de Memória da Fundação Bunge promove, anualmente, as Jornadas Culturais e, a edição de 2016 realizou uma série de palestras e oficinas gratuitas dedicadas à preservação da memória. Na 12ª edição, o evento que já teve encontros nas cidades de Curitiba (PR), São Paulo (SP), Itacoatiara (AM), encerrará seu ciclo em Santa Bárbara d'Oeste (SP).

As Jornadas Culturais 2016 terminarão no dia 24 de novembro com uma última palestra sobre Digitalização e Guarda de Acervos, realizada em parceria com o CEDOC da Fundação Romi, em Santa Bárbara d'Oeste. O evento, no auditório do CEDOC da Fundação Romi, começa às 9h. O especialista Alex Ricardo Brasil, assistente de arquivo do Centro de Memória Eleitoral, irá falar sobre a importância do conhecimento na Era da Informação e como digitalizar informações e gerenciá-las pode ser um valioso patrimônio, que se torna obrigatório para gestão de arquivos de entidades públicas, organizações privadas e grupos sociais com história para contar.

"Uma grande preocupação de todas as instituições que trabalham com memória é a preservação uma vez que para o conhecimento da história, é indispensável a guarda e preservação de documentos históricos. Na atualidade uma das formas de preservar o documento é Digitalização, pois neutraliza um dos principais fatores da degradação do documento: o manuseio. A Fundação Romi optou por digitalizar seu acervo, para permitir a agilidade na consulta, no entanto, preserva seus originais que são consultados em casos específicos. Por esse motivo, foi selada a parceria entre o Centro de Memória da Fundação Bunge e o Centro de Documentação Histórica da Fundação Romi para a realização da Jornada Cultural Digitalização e Guarda de Acervos com o objetivo de trazer para o interior uma discussão que deve estar sempre presente nos espaços de preservação da memória como: museus, arquivos, bibliotecas e centros de memoria. Será uma oportunidade para os profissionais que atuam nessas instituições se informarem, propiciando reflexões e possíveis mudanças de práticas na gestão dos acervos digitais", pontua a Coordenadora do CEDOC da Fundação Romi, Sandra E. de Souza.

A Fundação Bunge, que mantém o Centro de Memória Bunge, um dos mais ricos acervos de memória empresarial do país com quase 22 anos de existência, é a idealizadora das Jornadas Culturais desde 2004. Este ano, o evento que já contribuiu para a formação e a atualização profissional de milhares de participantes chega a sua décima segunda edição. As inscrições iniciam-se em 08/11/2016 e podem ser feitas através do site da Fundação Bunge pelo endereço http://jornadas.fundacaobunge.org.br/jornadas.asp

Perfil do Palestrante:

Alex Ricardo Brasil: historiador com especialização em Organização de Arquivos pela Universidade de São Paulo (USP), trabalha para o Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP), onde foi chefe do Setor de Arquivos entre 1997 e 2007. Atualmente, é assistente de arquivo do Centro de Memória Eleitoral, preside a Comissão Permanente de Avaliação de Documentos e coordena o projeto de digitalização de documentos no Arquivo Geral da instituição. Nacionalmente, integra o Comitê Gestor de Arquivos da Justiça Eleitoral.

CEDOC: um espaço de cultura, memória e identidade.

Inaugurado em 7 de dezembro de 2009, o Centro de Documentação Histórica da Fundação Romi é um espaço vivo de preservação da cultura, memória e identidade de Santa Bárbara d'Oeste e região, que além de resgatar todo o passado histórico do município, atua na guarda, conservação e disponibilização do acervo da Fundação Romi e da Indústrias Romi, com destaque para o do Romi-Isetta. Seu acervo preserva registros que datam desde o fim de 1850 até os dias atuais.

Com um espaço expositivo vivaz e dinâmico, o CEDOC realiza oficinas culturais de Educação Patrimonial para mais de oito mil crianças e jovens do Ensino Fundamental e Instituições Assistenciais ao ano. Realiza o Processamento Técnico de todos os documentos recebidos e ainda recebe exposições e palestras, promove visitas monitoradas e técnicas, oficinas de capacitação e experimentação. É, a partir desse trabalho do CEDOC, que toda a preservação da história local, disponibilização gratuita à população e compartilhamento de saberes com educadores, crianças e jovens é possível. Do acervo, atualmente, estão disponibilizadas para pesquisa gratuita, via web, 228.597 páginas de jornal, 3.605 documentos textuais, 42.434 fotografias, 21.980 recortes de jornais e 2.621 catálogos. São documentos que datam desde o século XIX. Mas, sua função mais vigorosa é propiciar às escolas e instituições assistenciais um espaço de integração pedagógica, através da exploração da história e experimentação de novos temas através da Educação Patrimonial.

Digitalização e Guarda de Acervos

Palestrante: Alex Ricardo Brasil
Data: 24 de novembro
Horário: 9h às 17h
Local: CEDOC da Fundação Romi
Av. João Ometo, 118 - Jd. Panambi - Santa Bárbara d'Oeste - SP

Receba nossas novidades

19 3499.1555

Av. João Ometo, 200, Jd. Panambi - Santa Bárbara d'Oeste, SP

Que tal uma visita?

© Fundação Romi - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por